Journeyman – 1×03 – Game Three

journeymans01e03properhdtvxvid-e7avi_001119535.jpg

Journeyman é uma série bizarra. Talvez a mais bizarra dessa temporada. Além de fraca, muito fraca. É mais que compreensível a queda de audiência nos EUA. Histórias que envolvem viagem no tempo têm suas pouquíssimas exceções, como Life on Mars (não estou comparando as duas, apenas o tema é semelhante). Na série britânica o desenvolvimento do roteiro é verossímil e muito bem escrito. Dois importante fatores ausentes em Journeyman.

Spoilers Abaixo:

No episódio piloto somos introduzidos a Dan, um jornalista, marido e pai, e sua habilidade, de uma para outra descobre que pode voltar ao passado. Detalhe: Sem um esforço algum. Em um segundo ele esta conversando com a esposa e no outro o vemos nos anos oitenta. O motivo para eles fazer essas viagens? Ajudar quem corre perigo, claro. Mas acontece que seu primeiro episódio é extremamente confuso e vago. Nada do que vemos faz algum sentido, nem mesmo depois de vermos os outros dois episódios. A única coisa que fica clara é que ele pode voltar no tempo e sempre encontra a ex-mulher (que morreu nos tempos atuais, mas possui a mesma habilidade que o ex-marido e sempre o encontra no passado).

É duro acreditar que Kevin Falls, roteirista de vários episódios de The West Wing criara algo tão idiota e inverossímil. Os excessos de mistérios também não ajudam. Que diabos é aquela ex-mulher dele que o segue a cada volta no tempo que ele faz? Como em nenhum momento o vemos ir atrás de respostas para seu problema? (será que tem alguma companhia por trás disso? humpt). Ele aceita essa habilidade sem nenhum questionamento e quando nos damos conta, se transforma num herói viajante do tempo.

Se em Lost a falta de respostas para as dezenas de perguntas é um dom, aqui é uma maldição. Em nenhum momento nesses três episódios ficaram claros os motivos voltar no tempo (além de salvar aquelas pessoas, porém não creio esse o motivo principal. Não é possível que seja apenas isso), como ele consegue e como ele encontra a ex-mulher morta nessas “viagens”. Se eles estão pensando que vão segurar a atenção do telespectador muito tempo, estão muito enganados. Alias, a audiência do terceiro episódio já deixa bem claro que não.

Tinha me apegado à série, mas após três episódios Journeyman está cancelada para mim. Vão fazer outro de bobo, eu não.

1×03 – Game Three – 5 (MVP: Kevin McKidd, Gretchen Egolf)

17 comentários sobre “Journeyman – 1×03 – Game Three

  1. Pois, bem me parecia. Ainda não v nenhum episódio, estava à espera de mais críticas antes de me aventurar, mas pelo que li até agora não vale a pena.
    A história de Life On Mars foi desenvolvida ao longo de 8 anos, por isso é natural que tenha saído interessante e bem estruturada. Quanto a esta… parece que depois do cancelamento do remake americano de Life on Mars quiseram aproveitar a onda de viagens no tempo, e aventuraram-se por esta. Mas o resultado… :s
    Bom, deixa lá… é menos uma para ver.

  2. Não acho que a série seja fraca. Ela é perfeitamente assistível. Big Shots, por exemplo, é bem pior. O problema é que Journeyman já caiu na armadilha de inventar mais perguntas do que respostas. Estou sem paciência para acompanhar séries assim. Posso esperar a exibição no Brasil, se houver, sem pressa alguma.

  3. É ruim, mas eu to gostando. Sério, ainda não sei porque eu não desisti dessa série ainda. Os roteiros são muito fracos, pelamor…

    Mas esse terceiro episódio não foi tão ruim. Eu gostei mais até dele voltar sempre pro mesmo ano tentando ajudar o cara. Pena que o roteiro foi escrito nas coxas. Aliás, taí uma série que se fosse bem trabalhada poderia ter dado muito certo.

    E por enquanto eu continuo assistindo.

  4. Sou do time do Felipe: acho a série tosca, mas continuo assistindo.
    A falta de respostas irrita, mas acho o lance de ajudar as pessoas bacana.
    E ficou claro neste terceiro episódio que a ex dele não morreu. Provavelmente forjou a própria morte para não ter que justificar as constantes idas e vindas no tempo.

    Beijo!

  5. Eu adoro a série e entendo os motivos de quem não gosta. Realmente, eles precisam dar algumas explicações. Fica chato se a cada semana ele viajar no tempo, salvar uma pessoa e pronto. Não podemos confundir verossimilhança com o fato de ainda não sabermos o que causa as viagens no tempo. O tema é fantasioso por natureza.

  6. não acho que a série seja fraca, mto menos ‘mto fraca’
    não é tão boa quanto eu tinha achado que era no piloto, mas não acho que seja ruim…e não entendo pq das criticas de ele não ir atras do que acontece com ele…em várias séries isso acontece…em Heroes os caras ganham poderes e 80% dos personagens mal se questiona o pq…
    acho que se tiver tempo a série vai dar essas respostas, mas não me incomodou em NADA a ausencia delas…mas me incomodaria se fossem dados respostas ruins ou se com ctz não forem dadas respostas nenhumas…e se for pra dar respostas nenhuma faça que nem Quantum Leap então, que tanto copiam, fala que é ‘Deus’ e.
    fica forçado mas pelo menos faz sentido!
    ps todo mundo fica comparando com Life on Mars, não vejo essa série, mas sei a premissa…(o cara é transportado pro passado, mas até aonde eu sei ele vai e fica) não vejo por onde a comparação com Journeyman que pra mim tem mais semelhanças com Quantum Leap…mas como já disse não vejo Life on Mars e talvez seja mais parecido com Journeyman do que eu suponho

  7. A minha comparação com Life on Mars é única e exclusiva sobre a volta no tempo. E ponto. De resto, são completamente diferentes. E em Journeyman é mais absurdo ainda pq ele faz essa viajem sempre que necessário.

    Lucas, agora você está querendo comparar o incoparável. O caso de Heroes é extremamente diferente. A propria premissa da série é vermos essas pessoas lidarem com sua habilidades. Não que eu quero que ele se torne aquele casal de latinos que estão indo para os EUA a procura de uma cura, mas que ele tenha um minimo de questionamento sobre esse poder. Em heroes eles até não podem ir atrás de uma resposta, mas a porcaria do Mohinder tá na série por causa disso.

  8. Assisti só o piloto mas não me chamou atenção o suficiente (e tbm não dá nem tempo de eu ver…)

    Concordo em partes com você a série é beeem estranha msm, e não me surpreende a queda na audiência…

    Mas li por aí que a série ganhou uma leva de novos episódios…

    Bom Feriado!

  9. Eric tudo bem concordo que Heroes mostra as pessoas lidando com seus poderes…e essa é a premissa da série…hum e a premissa de Journeyman não seria mostrar ele lidando com seus ‘poderes’ de voltar no tempo???
    sinceramente Heroes deixa de entregar tanto ou mais respostas que Journeyman, sua primeira temporada inteira foi assim e virou um hit…não vejo pq criticar Journeyman pela falta de respostas ou pela falta de questionamento…tem outros defeitos que podem ser mto mais criticados…como a falta de mergulhar de cabeça em temas controversos, mesmo tendo um prato CHEIO pra debater algumas coisas, mesmo defeito de Heroes para mim…
    e vc cita o Mohinder mais até a metade da temporada o Mohinder era um cone na série já que ele não acreditava mto na pesquisa do pai dele, apesar de ter ido pros EUA, quando o Peter encontra ele e fala que ele tem poderes o Mohinder acha que ele é louco…e tudo bem ele Mohinder busca respostas…e os outros???salvo exceções mostra que tem personagens que tem poderes a anos e nunca fizeram nada pra saber o pq…e o Mohinder que não tem poder nenhum é mais interessado que os outros…
    e bom o ‘journeyman’ não tem o minimo de questionamento sobre o poder mas a mulher dele tem…e por sinal a mulher dele forçou ele a fazer exames e etc…logo a mulher dele, que não tem poder algum, tem mais interesse que ele…os outros personagens da série tb parecem preocupados…logo acho que minha comparação com Heroes tem fundamentos sim…ambas lidam com ‘poderes’ e falta de questionamento…

  10. Não entender a história e falar mal é passar atestado de ignorância. A série tem um dos melhores roteiros entre os escritos atualmente e, realmente, só não saca o contexto quem não entende inglês e se resume a ler legendas apressadas. Dan Vasser é um jornalista e, como tal, busca as respostas do que lhe acontece e cada episódio especula algum tipo de pista. Ele não é detentor do poder de voltar no tempo, pois as viagens são totalmente involuntárias mas com objetivos específicos que ele precisa descobrir quais são para se livrar delas. Ao contrário de Herói, ele se sente doente e importunado pelo que lhe passa, o único alívio é saber que está sendo útil para mudar as vidas de algumas pessoas. Obviamente que há mistérios e, com sorte, vamos assistir algo menos óbvio e triste que o fim de Life on Mars.

  11. Seguinte, a série nao é tão ruin assim, eu estou acompanhando desde o começo e com o passar dos episódios vc vai se apegando aos problemas pessoais de Dan Vasser, tipo suas dificuldades de honrar compromissos e tudo por conta de nao poder controlar as “viagens” alem de várias frases que consolam as pessoas a seguir em frente os episódios 08, 09 e 10 são muito empolgantes pois ele tenta convecer seu irmão que ele realmente viaja no tempo, gostei muito, que pena que acabará! snifff

  12. Acabei de assistir o SEASON FINALE, é uma pena que a serie nao vá ter continuação, mas acho que esse ultimo episódio respondeu as perguntas que surgiram durante a serie. snif snif.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s