Pushing Daisies – 1×01: Pie-Lette

* Texto publicado originalmente no dia 10 de outubro de 2007

Pushing Daisies

Acreditam em amor a primeira vista? Acho que foi quase isso que ocorreu entre a série e eu. Fiquei sabendo dela e já gostei, vi o primeiro trailer e tudo aumentou. Porém após o segundo e mais completo promo, a empolgação que me envolveu foi enorme e fiquei contando os dias para poder ver o piloto dela.

Eis que na leva de seriados que vazaram, Pushing era um deles. E o piloto correspondeu a todas as minhas expectativas. Um conto de fadas com toques de humor negro e tragédia, amor impossível. O visual belíssimo criava o clima para tudo o que estava por vir, a narração dava o tom que a série seguiria. Os poderes de Ned apresentados a nós de forma rápida e de fácil entendimento. Em poucos minutos já dava para ter uma idéia do que iríamos ver dali para frente. Nada igual ao que já havíamos visto antes. Paixão a primeira vista.

A personagem de Chuck também me conquistou aos poucos, adorei da primeira vez que a vi, ao longo do episódio ela foi me conquistando cada vez mais e ao fim estava a seus pés. Anna Friel esteve absolutamente maravilhosa no papel e me fez acreditar no porque o Ned ter a deixado viva, mais ainda, porque se apaixonou por ela.

Ned, com um toque ele devolve a vida, um segundo toque a tira para sempre. Se não bastasse isso, após um minuto que ressuscitou alguém, outra pessoa que esteja próximo morre no lugar. E o jovem garoto descobre tudo isso da maneira mais terrível possível. A história de Ned é uma tragédia e seu futuro não parece tão bom assim. E mesmo assim a forma como o vemos hoje é de uma pessoa conformada com o que lhe aconteceu. Sim, ele é retraído e evita contato com as pessoas, mas isso não parece afetar sua vida e nem o incomodar.

Ned trás Chuck, seu amor de infância, de volta a vida e se apaixona novamente. Não consegue lhe tocar novamente e fazê-la morrer. Ela vive para sempre agora, porém eles não podem se tocar. Nova tragédia, uma história de amor impossível, melhor, quase impossível. Duas pessoas que se amam e não podem se tocar, beijar, acariciar… bem já entenderam a idéia. Porém novamente a tragédia se torna algo menor, poderiam divagar e ficarem chorando e se arrastando temporadas inteiras por isso, mas aqui os dois aceitam o que acontece e seguem a vida.

Umas das coisas mais lindas que o episódio mostrou foram a forma como eles fizeram para “se tocar”, para conseguirem ficar próximos um do outro sem se encostarem. O abraço do Cod (fazendo o papel de Ned) na Chuck, o beijo dos macacos e principalmente os dois dando a mão para si mesmos fingindo estarem de mãos dadas. No mundo de Pushing Daisies as tragédias não são um obstáculo a ser chorado, lamentado, amaldiçoado e sim para ser superado e seguirem em frente.

Brian Fuller nos brinda aqui com mais uma obra prima depois de outras duas feitas por ele: Dead Like Me e Wonderfalls. O diretor dos 3 primeiros episódios é Barry Sonnenfeld e parece que vai dirigir outros ainda. Houve toda uma comparação do visual da série com os filmes de Tim Burton, abaixo vou colocar uma entrevista muito legal com o Barry no David Letterman onde ele fala sobre isso, além de outras coisas sobre a série ou não:

1×01 – Pie-Lette – 10 (MVP:Lee Pace, Chi McBride, Anna Friel)

15 comentários sobre “Pushing Daisies – 1×01: Pie-Lette

  1. falou tudo uma das melhores da temporada, não esperei tanto o lançamento da série mas depois que vi o promo (por indicação sua) fiquei MTO afim de ver, graças a deus já havia vazado o piloto e eu vi rapidamente…mas a espera (longa espera) pelo segundo episódio foi angustiante, até que finalmente hj ele ira ao ar!!!
    sobre a qualidade da série nada a declarar já falou tudo!!!
    nota 10 ctz

  2. E Pushing Daisies veio para mostrar que pode muito bem ser a série da temporada, porque nenhuma conseguiu chegar a esse status até agora.

    O piloto foi sensacional.Também adorei, só não dei um 10 no meu review pq apesar de dar mais um toque diferente a série, comecei a achar tãão chato quando o narrador dizia “Esse é Fulano, com X anos, X meses, X semanas, X dias e X minutos”

    fora isso, Pushing Daisies pra mim é a série da temporada.

  3. Aaaaah, adorei. Falou muito muito bem.
    A série é maravilhosa e eu lembrei muito sim de Tim Burton.
    Adorei o que você falou sobre os obstáculos, esqueci de analisar essa parte. Mas também eu fiquei tão admirado com a série que esperava há meses que esqueci de analisar como geralmente faço, principalmente em estréias.

  4. Ah, esqueci de dizer, também fiz uma pequena análise (embora muito tendenciosa, já que eu adorei a série e esperava muito por ela, então, Anderson, se quiser ver clica no meu nome XD

  5. Anderson, review excelente como sempre (por isto que sinto falta das mesmas sobre o nosso médico…) ! E, ao terminar de ver o piloto, percebi que estava com um sorriso de satisfação: a série mostra a tragédia de forma colorida, doce e sutil, que fazem com que todos os problemas se tornem menores. Quem dera que tivéssemos a mesma atitude em nossas vidas… de aceitar os acontecimentos e viver da melhor forma possível, assim como Ned e Chuck vivem o seu amor :)
    E Deborah, não sei bem o horário (acho que é as 20hs ou 21hs) mas tem reprise no domingo.

  6. Aêee muito bom o comentário é realmente uma série fantástica, agora que chegou na WB aqui do Brasil…vai anunciar bastante

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s