Pushing Daisies – 1×02: Dummy

** Texto publicado originalmente no dia 14 de outubro de 2007

Pushing 1×02

Após um brilhante piloto que encantou todo o mundo (tirando os que não gostaram), teriam Brian Fuller e Barry Sonnenfeld cometido apenas um acidente e tudo o que vimos não passaria de uma exceção? Essas e outras perguntas podem ser respondidas ao vermos o segundo episódio da temporada, onde constatamos que não foi um acaso tudo aquilo e que se não for cancelada, teremos em mãos a possível melhor série da temporada.

O começo do episódio já mostra que todas as preocupações quanto a qualidade tanto visual, quanto da história, poderiam ser descartadas agora. Tão lindo quanto e as vezes até mais que o piloto e com uma ótima história, a mistério da semana foi excelente. Se House pode ser assim e ainda genial, por que Pushing não? Na abertura vemos Ned na escola e se sentindo meio deslocado e usando seus poderes para assustar seus amiguinhos idiotas, além de começar a utilizar a mentira para esconder seus poderes.

O morto da semana era um perito em segurança de automóveis que foi encontrado morto em uma estrada. Porém, ao revivê-lo ele diz que foi morto por um boneco de teste de colisão. A investigação se dirige a maluca fabrica dos veículos e lá encontram a garota que ele disse amar e ela os ajuda na investigação. Mas antes de seguir tenho que falar do já clássico cara do necrotério, ele é demais e eu rio toda vez que o vejo e ele solta o sensacional:

“Uh… Hum.”

A disputa entre Emerson e Chuck na frente do necrotério é sensacional e a Anna Friel consegue deixar a personagem em um nível de doçura nunca antes visto e ao ver a cena me apaixonei por ela novamente. E ela também usa seu charme para pegar um cartão de segurança que os leva para dentro da fábrica. Só para esclarecer, a empresa está lançando um nova carro ecologicamente correto que funciona usando flores como combustível. Na investigação descobrem corpos dentro de um armário no lugar dos bonecos.

Depois com a ajuda da garota da empresa que teve um caso com o morto (será que está confuso isso?), descobrem um grande buraco cheio de bonecos de teste de colisão. Lá são pegos e levados até a fábrica e são lacrados dentro de sacos plásticos usados para colocar corpos. E uma das grande cenas do episódio tem inicio, Ned e Chuck estão protegidos pelo plástico dos sacos em que estão e finalmente dão um beijo super seguro e porque não, adorável.

Os fatos eram estes: o morto percebeu que o carro era um perigo e tentou impedir o lançamento dele, o presidente da empresa não iria perder o trabalho de toda a vida e cancelar a fabricação, resolveu impedir que tudo fosse revelado, matando o especialista. E agora iria fazer o mesmo com estas três pessoas que estavam em seu caminho. O problema do carro era o seguinte: Em um improvável, mas não impossível evento em que o carro chegasse a velocidade de 113 Km/h, com os faróis ligados e o aquecedor de bancos ligado no baixo, um curto circuito no rádio causaria uma reação em cadeia que explodiria o carro e quem estivesse dentro em pedacinhos.

Graças as agulhas de tricô de Emerson Cod e também a volta por cima de Olive, todos se salvam no final. E falando da baixinha, a cena do musical envolvendo a pequenina Olive, o cachorro do Ned e o cubado de House, foi maravilhosamente bem feita e um prazer de ser vista. Assim como a cena final onde Ned mostra para Chuck que modificou seu carro para os dois poderem sentar na frente. Que venha o próximo episódio, da minha nova paixão televisiva.

1×02 – Dummy – 9 (MVP:Anna Friel, Chi cBride)

Anúncios

13 comentários sobre “Pushing Daisies – 1×02: Dummy

  1. É a melhor estréia, sem dúvida. Mas me incomoda um pouco essa fofura toda. E o narrador também me incomoda.

    E são só essas as reclamações. O roteiro é incrível. Escolher mvp é difícil, porque todo mundo no elenco está excelente. Mas nesse episódio a cena da Kristin Chenoweth foi foda. Deu prazer de ver mesmo. Muito bem dirigida. E me dá uma aflição o Ned e a Chuck perto, parece que vão se tocar toda hora.

  2. Apesar de não compartilhar do seu entusiasmo, estou gostando de Pushing Daisies. Assim como o Felipe, acho que há um excesso de fofura e o narrador também está me incomodando, mais pelo texto do que pela voz. Gosto do elenco e do visual, mas sinto que posso acabar enjoando em algum momento.

  3. Das séries novas essa é a minha favorita ate agora!

    Anderson pode tirar o link do piloto brasil da lista aq do blog…eu tive usn problemas com o blogger e eles deletaram a minha conta!!
    Abraço

  4. O episódio foi bom demais. Tô gostando desse clima mágico que a série proporciona…É diferente de qualquer série no ar atualmente, o que é bom, pq as vezes cansa de ver sempre a mesma coisa, os mesmo estilos. Se a doçura pode incomodar lá na frente, eu não sei, mas até agora não estou tendo nenhum problema com isso.

  5. MVP – Digby!!!
    nunca vi um cachorro fazer TANTAS caras e bocas!!!
    PQP a cena dele na cama foi D+!!!
    valeu o episódio!!!
    hehehe
    falando sério, não que eu estivesse brincando o cachorro realmente é demais, mas quanto a valer o episódio o visual da série é D+, a série tem uma coisa meio viciante que assim que acaba da vontade de ver mais e mais…
    as histórias são engraçadas sem serem idiotas e o romance é meigo sem ser meloso…enfim a série já caiu nas minhas graças com toda ctz!
    e pra mim o narrador é uma das coisas mais legais da série…não sei pq o povo não gosto
    “E me dá uma aflição o Ned e a Chuck perto, parece que vão se tocar toda hora.”
    tb sinto isso!!!hahaha fico vendo a série com os braços encolhidos hehehe

  6. Vi semana passada a reprise do seriado, por acidente pois desde o cancelamento de The OC e Veronica Mars, ñ tinha série q eu visse regularmente, e achei surpreendente. Lembra muito, pelo senso de humor, o filme “Guia do Mochileiro das Galáxias”. Série perfeita. A narração dá um toque a mais à série. Incrível.

    E Anderson, p/ corrigir, a série já possui uma segunda temporada confirmada, p/ setembro (graças a Deus).

  7. Pushing é um conto de fadas moderno. Não há como não passar imune ao visual “cute”, apesar de que há pessoas que não gostam de tanta fofura… Adoro a vivacidade da Chuck e a relação dela com o Ned, ““E me dá uma aflição o Ned e a Chuck perto, parece que vão se tocar toda hora.(2)”. Para mim, ela já reservou seu lugar na história da TV pela inovação :)

  8. Não vi o piloto, mas vi esse episódio, e achei que muitas situações foram forçadas demais, servindo só para facilitar o trabalho para os personagens principais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s