Pequenas "Férias" + Comentários da "Semana do Climax"

Galera, só passei para avisar que o blog não será atualizado por mim até sábado. Estarei trocando de computador e nesse período estarei tirando umas “férias” do pc!

Quando a situação estiver normalizada, postarei um texto bem bacana sobre a 2ª temporada de Entourage, que estou devendo para vocês á tempos.

Já que estou sem computador essa semana, consegui ver algumas coisas da “Semana do Climax” da Warner. Ai vão elas:

Close to Home: Final digno para toda a trajetória da série. Sua segunda temporada veio muito modificada, mas com o tempo encontrou sua fórmula e terminou de maneira bastante agradável. Fará muita falta.

Without a Trace: Essa é uma série que sempre me chamou a atenção, mas por motivos inexplicáveis nunca consegui acompanhar regularmente. Ao longo desses cinco temporadas não vi muita coisa, mas esse episódio final foi muito, muito bom. A ótima atuação do LaPaglia, o roteiro se desenrolando de maneira incrível e o cliffhanger da garçonete sendo seqüestrada foi o que faltava para colocar Without a Trace na minha lista de séries imperdíveis para a fall season.

-The New Adventures Of Old Christine: Esperava mais do episódio já que se tratava de uma finale, mas até que gostei. O talento incontestável de Julia Louis-Dreyfus contribuiu. O cliffhanger dela na escola foi engraçadinho, nada demais. Agora só resta esperar até setembro para vermos o desenrolar dessa história.

Two and a Half Men: Hilário! Hilário! Hilário! Não possuem muitas sitcoms atualmente, mas as poucas que restaram tem um nível de qualidade regular. No episódio final de Two and a Half Men acompanhamos Charlie e Alan criarem uma relação mais próxima com o novo namorado de sua mãe, Teddy. Este por sinal, é uma versão mais velha e amadurecida de Charlie. O fato de o episódio ser tão engraçado é que eles partiram de uma premissa tão simples e, conseguiram resultados magníficos graças ao seu elenco. Um excelente episódio e encerrou de maneira maravilhosa essa quarta temporada.

-Smallville
: Até hoje eu assisti a apenas seis episódios da Smallville. Sempre me arrependi de nunca tê-la acompanhada desde o inicio. Mas depois de ver essa season finale, não me arrependo mais. Ô episódio ruim. Aquela “morte” da Chloe foi à coisa mais ridícula que já vi em toda minha vida. Não sabia que ela também tinha um “poder especial”. Vou passar longe dessa série.

***

-On the Lot: Perdi a primeira hora do especial de 2 horas, pois estava assistindo a finale de Smallville. Mas só de ver o curta-metragem do mago dos efeitos especiais, Zach, já valeu a pena. Nem lembrava mais que tinha perdido o inicio do programa. O cara é muito bom e merece ganhar o prêmio! Dêem uma olhada no trabalho do cara:

 

Abaixo os erros de gravações da 2ª temporada de Grey’s Anatomy. É muito bacana.

 

Anúncios

A Nova Close to Home

Quando uma série sofre muitas mudanças tão rapidamente é de se esperar tal reprovação do telespectador, queda de qualidade ou coisa do tipo.
A primeira temporada de Close to Home foi legal, apenas legal. Os roteiros eram bacanas, atuações razoáveis na medida do possível, resumindo: era um bom entreterimento nas noites de segunda. O objetivo da série era mostrar que apesar de tudo, no final do dia ela sempre tinha um refugio, um lugar pra se sentir segura depois de um dia cansativo no trabalho. Estar com sua família era mais importante que qualquer condenação ou confissão.Eis que veio a segunda temporada pra nos mostrar que mudar nunca foi tão…bom! Posso dizer que a série é outra. Deu até gosto de assistir. David James Elliott entrou, e bem, na série. Seu personagem faz com que tudo soa fácil. Nada é difícil ou impossível aos olhos dele, mesmo que tenha que ser antiético (não que ele seja um tremendo mal caráter). O roteiro melhorou, está mais inteligente e dinâmico. Novos personagens vieram pra enriquecer o elenco sem brilho do ano passado. Os roteiristas acertaram na mosca em não aprofundar no drama pessoal da Annabeth. Mas acredito que ela não agüentara e irá desabar ao longo da temporada. Além do mais, ninguém é de ferro. Como ela lidará com o desafio de criar a filha sozinha será um dos destaques da temporada.

Ainda tem muito pela frente, mas essa premiere me deu esperanças que uma nova e melhor Close to Home vem ai. O que era um bom entreterimento nas segundas agora virou obrigação.